Como descobrir qual o seu perfil de investidor e os ativos mais indicados para ele
Como descobrir o perfil de investidor

Como descobrir qual o seu perfil de investidor e os ativos mais indicados para ele

Toda pessoa precisa conhecer o seu perfil de investidor antes de alocar seus recursos em algum produto. Isso pode parecer óbvio para os mais experientes, mas as pessoas que se animam muito com a possibilidade de investir logo no início tendem a “botar o carro na frente dos bois” e se atrapalhar com decisões tomadas equivocadamente.

O perfil de investidor vai ser o primeiro instrumento em que a pessoa vai ser questionada para poder analisar e identificar seus objetivos, necessidades e o que priorizar, conforme a sua tolerância às perdas, os prazos – se curtos, médios ou longos –  que estabeleceu e a quantia disponível para aplicação.

Ao fim do processo, o investidor pode ser enquadrado como conservador, moderado ou agressivo.

Veja detalhes abaixo:

Conservador – Esse perfil indica que o investidor opta pela segurança nos seus investimentos, com baixa tolerância ao risco dos ativos, mesmo que isso signifique uma rentabilidade menor para a sua carteira. São investidores que priorizam a preservação do patrimônio e da liquidez.

Por causa dessas razões, investem normalmente em ativos da renda fixa, de remunerações prefixada, como títulos do Tesouro Direto; pós-fixada, como Tesouro Selic, e até mesmo híbrida, como o Tesouro IPCA+. São também produtos de renda fixa CDBs, CRIs, CRAs e debêntures incentivadas.

Moderado – Esse perfil indica que o investidor aceita um pouco mais o risco, por apresentar apetite por uma rentabilidade maior. 

Transita entre os produtos mais conservadores, como os de renda fixa, e seleciona ativos mais arrojados para compor parcelas de sua carteira, como os de renda variável – ações, fundos imobiliários e outros.

Agressivo – Esse perfil, também conhecido como arrojado, indica que o investidor busca retornos ainda mais altos, se expõe mais ao risco de perdas e investe um percentual maior em ativos mais arriscados. 

Além de investir em ações, esses investidores buscam incluir em suas carteiras ainda BDRs, opções e contratos futuros.

Entretanto, um investidor de perfil mais agressivo não necessariamente precisa selecionar apenas ativos de alto risco. Pelo contrário. Apesar da exposição maior da carteira aos ativos arrojados, recomenda-se que ele busque diversificar seus investimentos, com produtos de renda fixa e variável.

Nesse sentido, uma nova modalidade, o P2P (peer-to-peer) Lending, conhecida como a “nova renda fixa”, pode ser uma excelente opção para quem quer produtos mais seguros como os dessa modalidade, mas com rentabilidade maior que o habitual.

O P2P possibilita a conexão de investidores com empresas de pequeno e médio porte que necessitam de capital para financiar novos projetos, sem a necessidade da intermediação dos bancos tradicionais, já que toda a relação ocorre por meio de uma plataforma digital e operada por empresas especializadas.

Quais ganhos o P2P oferece para o investidor?

Com essa modalidade, todo mês o investidor recebe uma parcela de seu aporte acrescida dos juros acordados em contrato. Com o P2P, o investidor consegue uma parcial liquidez, já que tem a opção de reinvestir mensalmente o saldo remunerado. Como os valores são previamente fixados, você consegue calcular os recebíveis a partir da utilização de um sistema de amortização chamado price.

Com o P2P, você diversifica os seus investimentos. Além desta ser uma medida indispensável, você obtém uma nova forma de alavancar os ganhos. Mais que buscar outras opções além do P2P, trabalhe com a ideia de variar o padrão de riscos entre os empreendimentos escolhidos. 

“O P2P Lending está sendo reconhecido como ‘a nova renda fixa’ por trazer características que já eram atrativas nas aplicações tradicionais, mas com possibilidade de oferecer rentabilidade superior aos títulos públicos e bancários, além de ter risco totalmente administrável pelo próprio investidor, que pode criar uma carteira de crédito mais conservadora ou arrojada, de acordo com o seu perfil de investidor”, explica Marcos Travassos, CEO da Money Money Invest.

Quer começar a investir na nova renda fixa? Então abra já a sua conta na Money Money Invest! 

CompartilheFacebookTwitter
Entre na conversa

Comentários